É impossível para o homem se salvar, mas Deus pode cuidar dessa questão

26 Os que ouviram isto perguntaram: — Sendo assim, quem pode ser salvo?
27 Mas Jesus respondeu: — O que é impossível para o ser humano é possível para Deus.
(Lucas 18.26-27 NAA)

O verso 27 de nosso texto base é um dos mais utilizados nos dias de hoje, pelos praticantes da teologia da prosperidade, onde eles o usam para ensinar que Deus vai lutar por suas causas pessoais, no momento que a pessoa não conseguir mais lutar.
No entanto fiz questão de incluir o verso 26 em nosso texto base para que se tenhamos o entendimento claro, do que de fato o Senhor Jesus esta falando, onde vemos que Ele foi questionado sobre a incapacidade do homem de ser salvo e Ele respondeu dizendo que essa é uma questão para Deus resolver, pois a salvação vem de Deus e não do homem.
Basta apenas o homem se encontrar na posição emocional e espiritual necessária para ser revestido com a salvação, que Deus fará o restante. Portanto em nenhum momento esse texto está relacionado a causas pessoais e sim da necessidade e incapacidade do homem de conseguir a salvação.




Aprendendo com o exemplo de Abel – Parte IV

Abel também fez uma oferta a Deus. O que Abel apresentou a Deus foram as primeiras crias do rebanho dele. Feito o sacrifício, ofereceu ao Senhor Deus as melhores porções. Deus aceitou a pessoa e a oferta de Abel. (Gênesis 4.4 BV)

Hoje vamos finalizar as lições que aprendemos com exemplo de Abel, quando ofereceu uma oferta para Deus, onde aprendemos três lições importantes.
1 – Devemos colocar Deus em primeiro lugar em nossas vidas, como também nossa oferta deve revelar quem é Deus para nós e qual é a posição dEle em nossas vidas;
2 – Devemos reconhecer diante de Deus, que somos falhos e pecadores, que estamos arrependidos e que contamos com o seu perdão. Como também nossas ofertas para Deus, devem revelar nosso arrependimento e dependência de Deus;
3 – Devemos oferecer para Deus o nosso melhor, ou seja, o melhor de nosso tempo, o melhor de nossos talentos, o melhor de nossos dons e o melhor de nossos recurso, pois isso revela um pessoa que morreu para si mesma e vive para Cristo.
O nosso verso base revela ainda que Deus aceitou a oferta de Abel, portanto se desejamos ser aceitos por Deus, devemos seguir o exemplo de Abel, nos apresentando diante de Deus de igual forma.




Aprendendo com o exemplo de Abel – Parte III

Abel também fez uma oferta a Deus. O que Abel apresentou a Deus foram as primeiras crias do rebanho dele. Feito o sacrifício, ofereceu ao Senhor Deus as melhores porções. Deus aceitou a pessoa e a oferta de Abel. (Gênesis 4.4 BV)

Nos posts anteriores comentamos sobre colocar Deus em primeiro lugar de nossas vidas, como também reconhecer quem somos e nos arrependermos diante do Senhor. Agora a terceira atitude de Abel foi oferecer a Deus as melhores partes de seu sacrificio a Deus, isso significa que Abel entendia que Deus merecia o seu melhor, não o que sobrava ou que era conveniente oferecer.
Todo cristão verdadeiro deve aprender com essa atitude também, pois deve-se entregar a Deus o melhor de seu tempo, talentos, dons e recursos, não o que sobra. Aquele que oferece o que sobra, na verdade é um egoista auto-sificiente, esta dizendo que não depende de Deus, mas de sí mesmo.
Portanto a terceira coisa que aprendemos com o exemplo de Abel é que Deus merece e espera o nosso melhor, nada menos que isso. Lembrando que o nosso melhor não significa perfeição, mas o melhor que podemos ser, fazer e oferecer na condição que Ele nos colocou.




Aprendendo com o exemplo de Abel – Parte II

Abel também fez uma oferta a Deus. O que Abel apresentou a Deus foram as primeiras crias do rebanho dele. Feito o sacrifício, ofereceu ao Senhor Deus as melhores porções. Deus aceitou a pessoa e a oferta de Abel. (Gênesis 4.4 BV)

No post anterior aprendemos que devemos revelar o que Deus é para nós em nossas ofertas para Ele, agora vamos comentar sobre a segunda atitude de Abel, onde ele não só ofereceu suas primeiras crias, mas também a sacrificou a Deus, isso significa que Abel reconheceu que era pecador, que precisava da ajuda de Deus e contava com o seu perdão.
Essa é a atitude que todos os cristãos devem ter, ou seja, reconhecer que é falho e pecador, reconhecer que sem Deus não é nada e por isso precisa dEle, como também se arrepender e contar com o perdão Divino.
Portanto a segunda coisa que aprendemos com o exemplo de Abel é que devemos reconhecer quem somos diante de Deus, nos arrependermos e contarmos com a Sua misericórdia e perdão.




Aprendendo com o exemplo de Abel – Parte I

Abel também fez uma oferta a Deus. O que Abel apresentou a Deus foram as primeiras crias do rebanho dele. Feito o sacrifício, ofereceu ao Senhor Deus as melhores porções. Deus aceitou a pessoa e a oferta de Abel. (Gênesis 4.4 BV)

O verso acima descreve a oferta que Abel fez a Deus, onde gostaria de destaca que ele ofereceu as primeiras crias de seu rebanho, ou seja, isso demonstrou que Deus era a prioridade de sua vida, colocando o seu sustento e lucro em segundo plano.
O verdadeiro filho de Deus, aquele que verdadeiramente entende os seus propósitos, deve fazer o mesmo, ou seja, morrer para si mesmo, a fim de que a vontade de Deus se manifeste em sua vida e através de sua vida.
Portanto a primeira coisa que aprendemos com o exemplo de Abel é que tudo o que fazemos para Deus, deve revelar o que Ele verdadeiramente representa para nossas vidas, não como obrigação ou habito.




Crer em Deus não lhe faz um filho dEle

Com muita frequência nos deparamos com pessoas que creem em Deus, frequentam uma igreja e praticam hábitos religiosos, declarando que são pessoas de Deus e que vão para o céu, inclusive algumas até se portam com ar de superioridade sobre aqueles que não frequentam igrejas.
Porem tudo isso não as fazem ser cristãs, muito menos é uma garantia de que vão para o céu, vejamos o que Tiago certa vez ensinou sobre o assunto:

Ainda existe alguém entre vocês que sustenta que “apenas crer” é suficiente? Crer num único. Deus? Ora, lembrem-se que os demônios também creem isso – com tanta convicção que até tremem de terror! (Tiago 2.19 BV)

Observe que ele inicia afirmando que crer que Deus é o único Deus não é suficiente, como também que os demônios também creem nisso, que até tremem de medo. Para os demônios crerem em Deus e tremerem de medo é mais fácil, pois eles já viram Deus e conhecem a amplitude de Seu poder, porem escolheram não honra-lo e respeita-lo.
Nós não tivemos a oportunidade de ver Deus com os nossos próprios olhos, porem existem inúmeras situações em nossas vidas que provam Sua existência e Seu poder, porem infelizmente isso não é suficiente para muitos. Pois apenas creem, mas não o honram e o respeitam, vivendo da maneira que lhe agrada e fazendo o que Ele espera que seja feito.




O Grande Mandamento e a Grande Comissão – Parte VIII

Na postagem anterior aprendemos que devemos Discipular, ou seja, ajudar as pessoas a se tornarem semelhantes ao Senhor Jesus, porem isso só é possível através de alguém que está nessa jornada.
Agora vamos terminar nossa série analisando a ultima declaração do Senhor Jesus:

A Grande Comissão:
Portanto, vão e façam discípulos em todas as nações, batizando-as no nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo. E depois ensinem estes novos discípulos a obedecerem todas as ordens que Eu lhes dei; e tenham certeza disto – que Eu estarei sempre com vocês, até o fim do mundo. (Mateus 28.19-20 BV)

O Senhor Jesus termina seu ensino dizendo: Eu lhes dei; e tenham certeza disto – que Eu estarei sempre com vocês, até o fim do mundo. Ele faz uma promessa de sua presença e capacitação permanente na vida de seus discípulos.
Mas essa presença e capacitação constante não são aleatórias, mas estão atreladas a pratica dos versos anteriores, ou seja, se o seu discípulo for um evangelizador, um discipulador e promover a comunhão, certamente terá a presença e a capacitação de Cristo, no cumprimento desta missão.




O Grande Mandamento e a Grande Comissão – Parte VII

Na postagem anterior falamos sobre a Comunhão, ou seja, necessidade de incorporar os novos discípulos a família de Deus, em uma igreja local. Neste poste vamos falar sobre o Discipulado, ou seja, ajudar as pessoas a se tornarem semelhantes a Cristo.

A Grande Comissão:
Portanto, vão e façam discípulos em todas as nações, batizando-as no nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo. E depois ensinem estes novos discípulos a obedecerem todas as ordens que Eu lhes dei; e tenham certeza disto – que Eu estarei sempre com vocês, até o fim do mundo. (Mateus 28.19-20 BV)

Na sequencia o Senhor Jesus ensina o seguinte: E depois ensinem estes novos discípulos a obedecerem todas as ordens que Eu lhes dei. Isso quer dizer que todo os discípulos verdadeiros tem aprendido do próprio Senhor, como ser verdadeiramente um filho de Deus, como também não tem apenas a teoria mas também a pratica. E é através desta pratica que vai ensinar o próximo, pois ensino inicia com o testemunho e termina com a explicação.
Uma pessoa só poderá ensinar a outra pessoa a ser, se ela mesma for, caso contraio o ensino será um vazio.




O Grande Mandamento e a Grande Comissão – Parte VI

Na postagem anterior comentamos sobre o Evangelismo, que é o fato do Senhor Jesus já ter nos dado a ordem para ajudarmos todas as pessoas a nossa volta a desenvolverem um relacionamento com o Senhor, através da dedicação completa de seus seres.

A Grande Comissão:
Portanto, vão e façam discípulos em todas as nações, batizando-as no nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo. E depois ensinem estes novos discípulos a obedecerem todas as ordens que Eu lhes dei; e tenham certeza disto – que Eu estarei sempre com vocês, até o fim do mundo. (Mateus 28.19-20 BV)

Na sequencia o Senhor Jesus diz: batizando-as no nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo. Neste caso Ele não esta falando somente do ato do bastimo, mas da necessidade que existe de ajudarmos as pessoas a se tornarem membros da família de Deus, integrando-os a uma família espiritual e física aqui nesta terra, que é uma igreja local.
O ato de incorporar e integrar pessoas a igreja, que é a família de Deus é chamado de Comunhão.




O Grande Mandamento e a Grande Comissão – Parte V

Nas postagens anteriores falamos sobre O Grande Mandamento, onde comentamos que Adoração é se comprometer integralmente em uma relação de amor a Deus, também comentamos que Ministério ou Serviço é ajudar as pessoas a sua volta a desenvolverem um relacionamento com Deus, através do comprometimento integral de seus seres. Por fim comentamos que se você se dedicar a essas coisas, não existirá espaço em sua vida para propagação de coisas que não agradam a Deus.
Agora vamos comentar como praticamos o Ministério ou Serviço, que se da através da pratica da Grande Comissão.

A Grande Comissão:
Portanto, vão e façam discípulos em todas as nações, batizando-as no nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo. E depois ensinem estes novos discípulos a obedecerem todas as ordens que Eu lhes dei; e tenham certeza disto – que Eu estarei sempre com vocês, até o fim do mundo. (Mateus 28.19-20 BV)

O Senhor Jesus inicia o seu ensino dizendo: vão e façam discípulos em todas as nações. Isso significa que não cabe a nós escolhermos quem evangelizarmos e quem não evangelizarmos, pois Ele é claro todas as pessoas a quem tivemos oportunidade.
Ele também ensina que devemos fazer discípulos de Cristo, ou seja, pessoas que se entregaram completamente em uma relação de amor a Deus, através da dedicação de seu ser, no qual fomos instrumentos dEle, para o cumprimento da missão.
Por fim como ele disse “vão”, significa que não devemos ficar esperando que alguém nos diga para cumprirmos a missão, pois já recebemos essa ordem do Senhor, portanto se ficarmos esperando até que alguém nos diga, estamos sendo negligentes com o chamado. Isso é o que chamamos de Evangelismo.